CURSO DE REPARO EM CENTRAL DE INJEÇÃO ELETRÔNICA - ECU

CURSO DE REPARO EM CENTRAL DE INJEÇÃO ELETRÔNICA - ECU

Artigos

Injeção Eletrônica: Saiba tudo sobre os Sensores de Fluxo de Ar Parte II

Medidor de Fluxo da Massa de Ar:

Este sensor é utilizado em sistemas que utilizam o método de cálculo Massa de Ar, neste método o sensor informa diretamente o valor da massa de ar que entra no motor, e então a ECU calcula a quantidade de combustível a ser injetada.

Localizado entre o filtro de ar e corpo de borboleta, o sensor recebe o fluxo de ar aspirado pelo motor, o qual passará por corpo aquecido. Esse corpo pode ser de dois tipos que caracterizam o sensor:

Fio Aquecido ? Hot Wire;
Filme Aquecido ? Hot Film-Grid.

Fio Aquecido:

Trata-se de um fio de platina com 70mm de diâmetro que fica exposto ao fluxo de ar, uma corrente elétrica encarrega-se de manter o fio aquecido, mas a medida que o ar flui passando pelo fio, este esfria.
A corrente elétrica no fio aumenta para compensar a perda de temperatura até que o fio atinja o equilíbrio. O valor da corrente elétrica que mantem o fio em sua temperatura de equilíbrio com o fluxo de ar é diretamente proporcional a massa de ar que passa pelo fio, a corrente é convertida em tensão de saída para ECU que irá analisar o valor encontrado.

Variações de temperatura e pressão influenciam no valor da densidade do ar, o sensor é preparado para trabalhar com variações de fluxo na faixa do milissegundos. Tamanha precisão é prejudicada pela incapacidade do sensor em detectar para qual direção essa massa de ar está fluindo, com isso o sensor pode enviar sinais incorretos em determinadas situações.

Para a manutenção da temperatura do fio fino, é utilizado um circuito de malha fechada, que nada mais é do que uma ponte de wheatstone e um amplificador. Este circuito também monitora o sensor de temperatura, que é outro fio fino sendo este um resistor em regime de temperatura ? Termistor.

Com a função de assegurar o perfeito funcionamento do sensor, ao ser desligado o motor o sensor ativa o seu processo de limpeza. Detritos carregados pelo ar podem contaminar o fio, o processo de limpeza é o aquecimento do fio por alguns segundos para queimar qualquer sujeira que esteja impregnada no fio, a temperatura de aquecimento pode chegar a aproximadamente 1000ºc.

Filme Aquecido:

Neste caso o corpo aquecido é um filme de platina, o filme contem um substrato onde está todos os elementos de medição e controle do sensor.

O substrato é uma plaqueta de cerâmica que abriga o resistor de aquecimento e o sensor de temperatura.

Trabalha de forma similar ao fio aquecido, também possui um circuito interno de malha fechada, mas não dispõe de estratégia de limpeza do sensor, pois sua posição é favorável ao arraste de sujeira pelo fluxo de ar, o pequeno acumulo que pode se formar é na parte frontal do sensor.

Funcionamento do Sensor:

Ao ligar a ignição do veículo sem dar a partida, o sensor já começa a trabalhar, mesmo enviando a ECU um sinal de 0 volts, pois não ainda fluxo de ar no motor.
Quando o motor começa a funcionar, o fio ou filme aquecido troca de calor com o ar que flui pelo coletor, assim o valor informado pelo sensor será diferente. Caso ocorra alguma variação na temperatura do ar, ela será percebida pelo sensor de temperatura. A temperatura de trabalho destes sensores podem chegar a cerca de 200º.

O que é o sinal do sensor para ECU ?

O sinal que é enviado para ECU é utilizado para determinar a carga do motor, o quantidade de combustível a ser injetada(principal), quando vai ocorrer a centelha da vela de ignição e em veículos automáticos ajuda a determinar o momento de um mudança.

Fonte: carrosinfoco.com.br